Os povos indígenas

No princípio, o Brasil era habitado apenas pelos povos indígenas. A cultura desses povos reconheciam a natureza como fonte de energia vital para a manutenção da vida, do equilíbrio, da saúde e quando haviam as doenças, buscavam nas plantas e ervas a cura para esses males. Consideravam os ancestrais seus maiores deuses e buscavam na sabedoria que eles deixaram a integridade de suas essências.

Enfim, os “povos brancos” de culturas diferentes, chegaram e com o egoísmo que pertencem aos que não são capazes de construir riquezas interiores, diziam ter descoberto essa terra, tomaram posse, começaram explorar todas as riquezas materiais que a natureza havia criado... ouros, pedras preciosas, entre outros tesouros.

A frieza , a falsa moralidade, os conceitos interpretados de forma errada que a religião predominante daquela época pregavam, faziam desses homens brancos, seres insensíveis, sem visão, sem alma. Capazes de transformar e considerar qualquer pessoa que não fosse de sua linhagem em verdadeiros animais. Com tamanha insanidade, tentaram escravizar os primeiros habitantes e verdadeiros herdeiros desses tesouros, mas conhecedores das matas, tiveram a natureza a seu favor que impediu dos homens brancos invadirem suas terras.

Os povos africanos

Não contentes, resolveram trazer os povos africanos para trabalhos escravos, sem nenhuma valorização daquele ser humano, que foi trazido a força, arrancado de suas origens, de suas famílias, de seus lares. E se diziam homens de Deus! Os escravos, como eram chamados, eram colocados em senzalas, comiam o resto da alimentação dos donos das fazendas, e banhavam-se, quando podiam em rios, apanhavam quando não correspondiam as expectativas dos seus “donos”.

Essas duas culturas, possuíam valores internos respeitáveis. Consideravam os ancestrais como fonte de sabedoria e utilizavam os seus conhecimentos para o desenvolvimento de suas fontes de energias.
Com a chegada do “homem branco” os ensinamentos sagrados foram reprimidos, massacrados e condenados, mas nunca esquecidos.. Neste livro, procuramos resgatar algumas fontes geradoras de limpezas e purificação de energias que fizeram com que esses povos indígenas e africanos conseguissem resistir a tamanha barbaridade sofrida por eles.

Imaginem tanta dor, mágoas, ressentimentos sofridos por esses povos?
Os escravos africanos, trouxeram a cultura afro e introduziram o ato de banhar-se com ervas antes de uma cerimônia religiosa. Porém, nos povos do antigo Egito a arte de banhar-se a aromaterapia já eram realizados. Os índios por sua vez, preservaram-se nas florestas, mantendo distância dos povos brancos!

Os banhos

Existem diversas categorias de banhos com usos e finalidades definidas. O processo é quase sempre o mesmo, ou seja, o da maceração das ervas, feitos por mulheres e homens iniciados no culto dos orixás. As ervas, após a maceração, são repousadas em um recipiente de barro juntamente com outros ingredientes que são necessários.
Não vamos nos ater aqui, aos rituais do candomblé e umbanda como norteadores do livro, mas sim, como base para os diversas modos que os banhos são utilizados!
Antes porém, vamos esclarecer algumas formas de preparar as ervas...

Infusão
Consiste em colocar água fervendo sobre as ervas, para preservar os princípios ativos.
*colocar a erva em um recipiente;
*adicionar água fervendo;
*tampar por 10 ou 15 minutos;
*Coar e usar imediatamente.
Obs. As ervas podem ser levemente amassadas, pouco antes de se adicionar a água fervendo.



Decocção
Indicado para estruturas mais resistentes das plantas como raízes, caules, cascas, sementes.
*colocar a erva em um recipiente; (pode estar triturada);
*adicionar água fria até cobrir completamente;
*colocar no fogo e deixar ferver por 10 a 30 minutos;
*coar e usar imediatamente;

Maceração
Indicado para todas as partes das plantas.
*colocar a erva em um recipiente contendo um líquido frio como álcool, vinho, água pura, vinagre, óleo;
*deixar de molho durante um ou dois dias;
*coar e guardar em vidro escuro, tampado e em lugar fresco.
Obs. A maceração é uma preparação indicada para uso externo, também permite a ingestão em pequenas doses quando o líquido usado for água ou vinho.
Existem outras formas de se preparar as ervas, porém utilizaremos com mais freqüência essas acima citadas.

Os banhos de descargas

Muitas vezes, por não termos controle de nossas emoções e dos nossos sentimentos, as energias negativas vão se acumulando em nosso corpo. Para a realização da limpeza e da purificação dessas energias os banhos de descarga são muito utilizados para aliviar esse mal.
Alguns sintomas são característicos como por exemplo, o corpo cansado sem ter feito grandes esforços, dores na nuca, nas costas e nas pernas, bocejando sem estar com sono, falta de ânimo, falta de iniciativa, instabilidade emocional, tropeços, pequenos azares, etc.

0 comentários:

Postar um comentário

Seguidores